Menina, Mulher & Mãe

BABY BLUES – OS PRINCÍPIOS MENOS COR-DE-ROSA

 

A primeira vez que ouvi o termo foi numa aula de Psicologia Sistémica (Psicologia da Família) no primeiro ano de Mestrado. Na altura, do alto da minha arrogância juvenil, achei os 60% de prevalência (número de mulheres que experienciam baby blues) um verdadeiro exagero – nenhuma das mães que eu conhecia havia (supostamente) passado por isso. Mais, sentia-me superior ao ponto de pensar que tal só ocorria com quem não queria mesmo ter filhos ou não tinha vocação para tal – “A mim jamais me acontecerá, tenho tanto jeito para crianças, certamente serei uma excelente mãe”.

Quando engravidei, embora se tivessem passado alguns anos e a arrogância juvenil desaparecido, continuava a acreditar que ser mãe era fácil, algo instintivo e natural, cuja complicação resultava do exagerado das pessoas. Ainda não me fazia sentido que alguém se sentisse triste após o nascimento do seu filho, um bebé que esteve na sua barriga vários meses, uma vida, uma família que iria nascer, alguém que iríamos amar e que nos amaria a vida toda – que motivos existiriam para ficarmos tristes e inicialmente rejeitarmos o pobre bebé?

A nossa filha nasceu através de um parto por cesariana. Por ter permanecido sentada até à altura do parto e por apresentar muito pouco líquido amniótico, o parto foi feito com alguma urgência. Foi tudo muito repentino, ao ponto de o pai que estava em Angola não conseguir chegar a tempo. Talvez pelo tipo de parto, ainda que a equipa tenha sido fantástica, a sensação com que fiquei foi a de que não houve uma transição – deitei-me na marquesa e em poucos minutos tinha a minha filha ao colo. Hoje sei que em termos hormonais, e não só, partos traumáticos, extremamente instrumentalizados e cesarianas contribuem para maiores dificuldades em lidar com o bebé e com toda a experiência da maternidade nos primeiros tempos.

Na mesma altura em que a nossa filha nasceu, nasceram outros bebés de um grupo de mães a que pertenço. A maioria das mães colocava fotos lindas, com um ar de tremenda felicidade, e escreviam belas declarações de amor para aqueles bebés que eram apontados como as melhores coisas das suas vidas. Do outro lado do ecrã, eu recriminava-me por não sentir o mesmo, por tudo me parecer complicado e não estar a seguir o rumo que eu considerava normal – ela chorava a tomar banho, adormecia imenso a mamar e acabava por comer pouco, dormia mal durante a noite; tudo comportamentos típicos de um recém-nascido, e de uma recém-mamã, mas eu culpava-me, sentia-me menos capacitada do que as restantes mães.

As duas primeiras semanas de vida da nossa filha foram marcadas pelas minhas lágrimas constantes – não era preciso um motivo forte, por vezes bastava-me olhar para ela para sentir que estava a fazer um péssimo trabalho. Chorava durante horas, outras vezes questionava-me se teria mesmo nascido para ser mãe (eu, que sempre vivi com a certeza de que essa seria a minha vocação), culpava-me por ter tomado essa decisão, sentia o peso da responsabilidade de cuidar de alguém para sempre e da falta de liberdade, imaginava-me presa à mesma rotina pela vida fora. No meio de tudo isto, a parte mais dura era não poder exteriorizar o que sentia – “Que raio de mãe pensarão que és? Isto que sentes e pensas não é bonito, não é normal, és a única assim, devias ter vergonha!”; de seguida surgia a pressão social para fingir que estava a adorar a experiência e por último a frustração e a culpa de o fazer.

Cerca de duas semanas depois, o meu corpo começou a habituar-se à privação do sono, às mudas constantes de fralda e ao choro dela; aprendi a tirar maior prazer da simples bênção de a poder admirar, do seu cheiro, da nossa pele colada enquanto a tinha ao meu colo.

Não existiu o dia, a hora, o local, em que o amor pela nossa filha nasceu. A protecção, o instinto, o altruísmo, nasceram no parto, contudo o amor como hoje o sinto não foi imediato, foi-se construindo dia após dia, à medida que nos fomos conhecendo, que partilhámos bons e maus momentos. Dois anos e meio depois, sou a figura central da vida da nossa filha, temos uma relação de grande proximidade, compreensão, em que ela confia e se apoia em mim sem restrições.

Para ti, que estás a viver uma situação de baby blues, deixo-te o meu colo. Sim, tu também precisas, não desvalorizes isso. Não subestimes a dureza que a experiência da maternidade pode ter ao início e o teu esforço para lidar com ela. Se esta transição te afecta tanto é porque a levas realmente a sério, o que é sinal de sensatez, compromisso e empenho. Mais, não interessa como a tua irmã, a tua prima ou a vizinha lidaram com os primeiros tempos enquanto mães, a TUA gravidez foi única, tal como o TEU parto, o TEU bebé, as circunstâncias que VOS rodeiam e TU! Estamos a falar de uma mudança significativa em que tens de te desorganizar por completo para de seguida voltares a encaixar todos os pedaços da tua vida de uma nova forma. É como que sem saberes nadar fosses atirada para uma zona sem pé, tens de aprender ali, no momento, sem lições nem grande preparação; a maternidade é isto – aprendizagens feitas a um ritmo alucinante, nem sempre à primeira, num universo cheio de situações imprevisíveis. A maior das imprevisibilidades com que terás de lidar, pois supera o que te relataram, é o amor que verás nascer entre ti e o teu bebé, ao vosso ritmo – a sensação de que ganhaste um grande propósito de vida, o arrepio quando ele te esboça o primeiro sorriso, as lágrimas nos olhos quando intencionalmente te coloca as mãos no rosto, o calor no coração quando te chama mamã pela primeira vez. Com o tempo, o VOSSO tempo, irás habituar-te à privação do sono, mudarás fraldas (literalmente) de olhos fechados, entrarás na rotina, passarás a conhecer melhor aquele a quem tens a honra de chamar filho, e tudo será mais simples, mais natural; irás vencer desafios e com cada obstáculo superado perceberás que afinal és capaz.

Tu és mulher, tu és mães, tu és vida, tu és amor – tens em ti o melhor do mundo, só precisas de tempo para o ver.

baby blues

Anúncios
Standard
Menina, Mulher & Mãe

Mãe para a vida toda

Existem mulheres que o único contacto que tiveram com a função de mãe foi durante a gravidez (digo-o sem julgamentos), outras que cumprem o seu papel até os filhos demonstrarem alguns sinais de independência, e ainda aquelas que “vestem a camisola” e se comprometem a usá-la a vida toda. A minha mãe faz parte do terceiro grupo.

Ser mãe para a vida toda não implica que se seja uma mãe perfeita. A senhora que vêem nesta fotografia nem sempre foi a mãe que é hoje. Existiram muitos momentos em que não a compreendemos e em que ela não nos compreendeu. Hoje percebo que precisou de tempo para lidar com os seus fantasmas, para quebrar crenças e aprender a identificar o que realmente as suas filhas precisavam. A dada altura (não sei indicar o momento) decidiu colocar o passado para trás das costas e passou a escutar-nos com o coração.

Esta é a mãe que jamais abandonará o posto, que não usa o facto de as filhas serem adultas como desculpa para se ausentar das suas vidas. Dá-nos espaço, o que precisamos, mas está sempre presente, sem hesitar.

Esta é a mãe que se mostra disponível para ajudar, a quem podemos pedir os favores mais estapafúrdios e ligar a qualquer hora em busca de suporte.

Esta é a mãe que cuida, que prepara uma marmita para levarmos quando vamos às urgências com a neta, que nos delicia com os almoços de domingo, que lava e passa a ferro qualquer peça de roupa que fique esquecida em sua casa (ainda que o “esquecimento” seja claramente propositado), que liga para saber se tomámos o antibiótico a horas, que nos diz 20 vezes para nos agasalharmos.

Esta é a mãe que não invade o nosso espaço, que avisa quando vai aparecer, que pergunta se pode mexer, embora arrume a casa toda assim que viramos costas.

Esta é a mãe que aconselha, que sofre com cada queda nossa, que festejas as nossas vitórias como se fossem suas e que faz com que sintamos que nenhum erro colocará em causa o seu amor.

Esta é a mãe que abraçou o papel de avó desde o primeiro segundo, que esteve presente em ambos os partos sempre de sorriso no rosto, que nos apoiou no pós-parto e facilitou a vida em tudo quanto foi possível (encarregou-se de todas as tarefas para que ficássemos disponíveis para cuidar do bebé).

Esta é a mãe que me ajudou a crescer enquanto mãe, a mãe que quero ser e que 27 anos depois me permite continuar a saber o que é ser filha.

Esta é uma mãe para a vida toda ❤

mãe vida toda

Standard
Osteopatia

Refluxo Gastro Esofágico (RGE) – Osteopatia Pediátrica

Nos bebés o RGE é comum! Mas será normal??

O RGE é a passagem do conteúdo gástrico para o esófago e nos bebés pode acontecer por várias estruturas do seu corpo ainda estarem em desenvolvimento, por exemplo a válvula que separa o estômago do esófago ainda não fecha bem ou o diafragma ainda está muito horizontalizado. Para além disso, o leite materno é muito líquido e os bebés passam muitas horas do seu dia deitados.

Mas quais são os sinais de RGE?

Os sintomas, regra geral, são mais frequentes após as refeições:

  • Irritabilidade e choro;
  • Vómito ou regurgitação;
  • Dificuldade em mamar;
  • Diminuição do apetite ou recusa a alimentar-se;
  • Perda de peso;
  • Alterações no padrão de sono.

É certo que com o crescimento do bebé e a introdução de alimentos sólidos o RGE melhora, e até existem alguns truques que podem ajudar a reduzir os episódios de refluxo, como:

  • Alterar a pega na mama/biberão;
  • Manter o bebé numa posição verticalizada durante e 30 min após a amamentação;
  • Oferecer pequenas quantidades de alimento e várias vezes ao dia;
  • Deitar o bebé na cama com cabeceira elevada;
  • Usar roupa confortável e sem apertar a fralda em demasia na zona do abdómen.

Mas não seria melhor TRATAR as causas mecânicas do RGE?

A Osteopatia pode ser A ajuda! Através de técnicas manuais suaves o Osteopata vai avaliar e tratar todas as disfunções mecânicas que podem estar a promover o RGE e assim prevenir sequelas no seu bebé, tão importantes como:

  • Perda de peso;
  • Inflamação da mucosa do esófago;
  • Pneumonia por aspiração;
  • Sinusite e/ ou otite.

 

Por isso, melhor que tratar as possíveis complicações, será preveni-las através do tratamento atempado do RGE.

baby-2635037_1920

Standard
Menina, Mulher & Mãe, Sem categoria

A prioridade é estar connosco

“Coitado, faltava muito à creche, agora tem uma perturbação do desenvolvimento”
“Não chegou a aprender as cores porque passava mais tempo em casa do que na escola”
“Faltou à actividade de desenho dos números e ficou traumatizado”

Aqui estão algumas frases que exemplificam as consequências que habitualmente são apontadas como factores impeditivos de as crianças faltarem à creche para ficarem com os pais. Quando transformamos as tão temidas consequências em frases concretas percebemos que não faz assim tanto sentido, até porque nunca as ouvimos.

Sempre que se proporciona, a nossa filha falta à creche para ficar em casa connosco. Trata-se de uma decisão feita em conjunto, ciente das vantagens e desvantagens da mesma.

Respeito imenso o trabalho das educadoras de infância, o investimento envolvido na realização de um plano de actividades, acredito no amor com que a maioria trata as crianças, mas valorizo e acredito ainda mais o poder do amor e convívio com os pais nos primeiros anos de vida.

“Mas ela assim não faz as mesmas actividades que os colegas”. Sim, já aconteceu os colegas terem na sala um trabalho exposto e faltar o dela. Como em tudo na vida, existem desvantagens, contudo quando as vantagens se sobrepõem acho que podemos considerar tratar-se de uma escolha sensata. Perder uma actividade em nada se compara à possibilidade de passar o dia rodeada daqueles que mais ama e que mais a amam.

Hoje a nossa filha faltou à creche, mais uma vez. Provavelmente perdeu alguma actividade relacionada com os animais, como ouvir uma história ou pintar um deles. Enquanto os colegas faziam isso, a Letícia foi ao parque comigo, viu patos, peixes, pombas e cães. Ao vê-los, percebeu que existiam uns maiores e outros mais pequenos, de diferentes cores (falámos nelas) e com comportamentos diferentes (uns voam, outros nadam, e outros ainda fazem os dois). Viu outras crianças, interagiu, zangou-se, negociou, fez as pazes. Rimo-nos juntas, saltámos, corremos, abraçamo-nos e demos muitos beijinhos. O que a nossa filha perdeu na creche, e que eventualmente se irá confrontar quando voltar e não tiver um dos seus trabalhos expostos, em nada se compara ao que hoje ganhou – no fundo também trabalhou os animais e reforçou outros conceitos (contagem, tamanhos, cores, entre outros) de forma mais real, num contexto de muito amor.

As nossas crianças passam imenso tempo na escola, cinco dias por semanas, durante anos a fio. Para quê? Para adquirirem ferramentas que permitam adaptar-se ao mundo e viverem felizes. Numa primeira fase, em que os pais são a principal fonte de referência e em que o desafio em termos de desenvolvimento se centra em aprenderem a confiar no mundo, sentirem-se seguras e amadas, será realmente contraproducente perderem actividades “formais” para receberem dezenas de beijos, centenas de abraços, milhares de amor e criarem milhões de memórias felizes?

leti arco iris

Standard
Menina, Mulher & Mãe

Socorro, a nossa filha tem cabelos cacheados!

Provavelmente algumas de vós já se perguntaram “porquê eu?”. Sim, estes cabelos são super bonitos, diferentes, exóticos, o que lhes queiram chamar, mas nem sempre sabemos como lidar com eles – ele é rastas na parte de trás da cabeça, volume que nunca mais acaba, nós impossíveis de desfazer. Se forem como eu, que o único cuidado que têm com o vosso cabelo é penteá-lo, o desespero e a falta de jeito ainda são maiores.

Muitos dos “truques” de que vos irei falar hoje surgiram através de uma leitora da página, a querida Daniela de Sá. Ela surgiu nas nossas vidas com uma série de soluções, a maior parte caseiras, e por isso low cost, que nos têm salvado o couro (cabeludo) e o bolso.

Vejam como fica o cabelo da nossa filhota depois de ser tratado (desculpem as fotos estarem desfocadas, mas a pulga eléctrica não pára):

antes e depois

1º PASSO – HIDRATAÇÃO

Usei uma máscara natural de Maizena (sim, leram bem). Coloquei 1 copo com água (podem colocar leite ou ainda melhor, segundo a Daniela, leite de côco) e 2 colheres de Maizena num tacho com o lume desligado. Depois de dissolver a Maizena, coloquei o tacho ao lume até formar uma espécie de creme espesso; no final adicionei uma colher de óleo de côco derretido. Deixei actuar durante cerca de 1 hora.

Uma vez que a máscara é ideal para todos os cabelos, na minha acrescentei 2 colheres da minha máscara capilar.

Foto de 3m's.

2º PASSO – LAVAGEM DO CABELO

A gama de produtos que utilizam no cabelo dos vossos filhotes faz toda a diferença. No nosso caso, usamos a gama “Os meus cachinhos” da Novex, comprada pela tia no Strada Outlet (podem encontrar naquelas lojas de produtos capilares).

Foto de 3m's.

Não utilizo o shampoo sempre, pois seca mais o cabelo. Volta e meia lavamos e aplicamos apenas o condicionador.

3º PASSO – GEL DE LINHAÇA

Depois do banho, com o cabelo ainda húmido, aplico o Gel de Linhaça (deixem-no preparado antes do banho). Coloco num tacho 1 copo com água até meio e 2 colheres de sementes de linhaça (uso a dourada por não ter cheiro); volta e meia vou mexendo e pela colher percebo como está a textura (começam a ver uma camada de gel a ficar agarrada à colher). No final acrescento uma gotinha de azeite.

linhaça.jpg

Podem encontrar vários vídeos explicativos na internet, deixo este link a título de exemplo – https://www.youtube.com/watch?v=B4WzNA7XggY

Nota: Se deixarem demasiado tempo ao lume as sementes agarram-se ao gel e torna-se impossível de escoar.

4º PASSO – FITAGEM

A aplicação deste gel deverá ser feita com recurso à técnica de Fitagem. No fundo, é como se estivessem a criar daquelas fitas encaracoladas para as prendas de natal (a lógica é a mesma).

A aplicação da Fitagem ajuda a desembaraçar o cabelo, pois separamos os caracóis, e a definir ao máximo cada cacho.

Se não forem grandes entendidas em cabelos, podem levar algum tempo nesta fase (com a experiência irão tornar-se mais rápidas) pelo que poderá ser aconselhável colocarem um filme para o vosso cliente ficar entretido e não querer desistir a meio do processo.

Aqui fica um vídeo explicativo – https://www.youtube.com/watch?v=z6pSQ7Dw4js

5º PASSO – GABAROLICE

Depois de todo este processo (descrito assim parece imenso, mas acreditem que se faz bem), os vossos filhotes irão ficar com um cabelo fantástico. Aproveitem para os elogiar e para se vangloriarem um bocado 😉

Foto de 3m's.

Standard
Osteopatia

Afinal o que é a Osteopatia Pediátrica?

Em termos gerais, a Osteopatia é uma terapia holística fundamentada em conhecimentos de anatomia, fisiologia e patologia e na forma como estas áreas se influenciam no surgimento da doença.

A Osteopatia Pediátrica não é mais do que uma especialidade para os 0 até aos 18 anos! As técnicas utilizadas são exclusivamente manuais, suaves e indolores, apropriadas para esta etapa da vida onde a empatia, a calma e o amor devem ser valorizadas!

Os motivos da consulta são os mais variados:

  •  Torcicolos, lesões do plexo braquial;
  • Alterações do padrão da marcha;
  • Dificuldade em mamar, dormir ou adormecer;
  • Assimetrias crânio e cara;
  • Transtornos digestivos: refluxo (bolsar), cólicas, gases, diarreia e obstipação;
  • Problemas respiratórios: bronquiolite, asma,…;
  • Otite, sinusite, estrabismo.

Hoje em dia sabemos que o bebé, durante o seu crescimento no útero materno, é submetido a pressões e posicionamentos que podem ser potencialmente prejudiciais e o próprio tipo parto (longo, muito rápido, instrumentalizado – ventosas e fórceps- induzido ou por cesariana) pode condicionar o aparecimento de diferentes disfunções e assimetrias. Estas podem não ser graves ou visíveis, podendo até passar despercebidas aos pais e pediatras, mas influenciam o normal desenvolvimento do bebé. Por isso mais importante do que o tratamento é a PREVENÇÃO!

E, por isso, a Osteopatia pode ser uma mais-valia para o seu bebé crescer em Amor e Harmonia!

Dra. Inês Alves*

* Fisioterapeuta e Osteopata, mas sobretudo uma eterna apaixonada pelo Ser e o Saber!

Desde sempre tentou aliar uma mente inquieta na busca de conhecimento em diferentes áreas do saber com o desenvolvimento das relações humanas. Por isso, no seu dia-a-dia, tenta ajudar o próximo com o seu conhecimento, experiência e sorriso.

Foi durante a sua formação em Fisioterapia, num estágio na Maternidade Alfredo da Costa, que se apaixonou pela área da Saúde da Mulher e mais tarde com a Osteopatia percebeu que também tinha a possibilidade de ajudar as futuras gerações – as nossas crianças!

baby-784607_1920

Standard
Menina, Mulher & Mãe

Seremos amigas, mas sem total reciprocidade

O tema que vou abordar é delicado e facilmente pode dar aso a más interpretações, pelo que peço que leiam este texto de coração aberto, sem procurarem segundos significados; serei o mais clara e sincera possível.

A relação que construímos com um filho é das mais íntimas que alguma vez experienciámos. Facilmente sentimos que essa ligação é muito forte, que a partilha é tanta e que o nosso grau de preocupação com o seu bem-estar é elevado ao ponto de nos tornar melhores amigos.

Para a mensagem que pretendo passar, pouco importa se utilizam o termo “melhores amigos” ou outro sinónimo, interessa sim a forma como contemplam a relação com os vossos tesouros.

Ao longo da vida conheci várias pessoas que têm nos pais os seus melhores amigos. O deslumbre inicial de assistir a uma relação tão flexível e aberta dessas pessoas com os progenitores foi dando lugar ao questionamento sobre o real impacto deste estilo parental. Fui-me apercebendo que a certa altura a relação passava a ser mesmo essa – de amizade – o que contaminava as características que a relação pais-filhos deveria ter (passavam a ter os mesmos direitos e deveres, o que inclui a educação, ou seja, eram igualmente responsáveis por educar o outro). Por exemplo, em casa havia alguma desorganização pois ninguém detinha o papel de manter o espaço limpo e arrumado, as refeições eram feitas fora de horas, sem que estivesse determinado quem as faria, filhos que não podiam sair naquele dia (e em tantos outros) de casa pois tinham de apoiar emocionalmente os progenitores e que em ocasiões subsequentes sentiam necessidade de os orientar no processo de tomada de decisão e até educar.

Quando a minha filha vê em mim a sua melhor amiga, irá partilhar aspectos íntimos que a preocupam, o que é óptimo. Contudo, tal como acontece com um melhor amigo, o meu dever será apenas aconselhá-la, não tenho qualquer autoridade/obrigação quanto à sua educação – o estabelecimento de limites perde sentido neste género de relação. Mais, quando eu vejo na minha filha a minha melhor amiga, irei apoiar-me sempre nela nos momentos mais difíceis; sinceramente, este comportamento torna-se bastante tóxico para a relação, a certa altura os filhos sentem-se assoberbados pelos problemas dos pais e podem adoptar o papel de adulto estruturado que presta cuidados ao outro (troca de papéis), o que acarreta o risco inerente de os pais passarem a ser percepcionados como emocionalmente frágeis, uma fonte de insegurança com quem não podem contar verdadeiramente.

Todos precisamos de um porto seguro, alguém para quem corremos quando os obstáculos surgem, cuja estabilidade e certeza de competência nos acalma. Um progenitor que é o meu melhor amigo, por também se apoiar totalmente em mim, poderá não ter a disponibilidade e solidez emocional/comportamental que tanto necessito em momentos adversos.

Com isto não pretendo dizer que os pais devem ser ícones perfeitos em que as emoções e comportamentos estão sempre controlados. Em apenas 2 anos e meio a nossa filha já me viu frustrada várias vezes, já ri e já chorei à sua frente – é importante que ela saiba que a mãe sente todas as emoções, tal como ela, que perceba o que me faz feliz e o que me deixa triste, que saiba que o seu apoio também é importante para mim. Não obstante, ela não pode ser a minha principal fonte de apoio, esse “peso” não pode recair sobre ela, pois precisa de mim para a amar e educar.

Os meus pais sempre foram meus amigos, mas não os melhores. Eu e a minha irmã servimos como fonte de apoio em momentos menos bons das suas vidas, mas certamente não assistimos a tudo, apenas a uma parte suficientemente saudável. Havia intimidade mas sem que se perdesse a noção de que eles mantinham a função de nos educar; existiam regras, horários, respeito e, ainda que na altura reclamássemos, hoje percebemos como esta estrutura sólida foi essencial no nosso desenvolvimento.

A relação que desenvolvi/o com a Letícia é de muita proximidade, eu aceito-a e compreendo-a como ninguém, sou o seu porto seguro e acredito que se assim se mantiver ela no futuro se sentirá à vontade para partilhar aspectos mais íntimos comigo. Ainda assim, a minha função de mãe, enquanto fonte de estabilidade, segurança e orientação, com todos os deveres inerentes, sobrepõe-se a tudo o resto, pelo que ela se apoiará sempre mais em mim do que eu nela.

Sim, seremos amigas, mas sem total reciprocidade.amigas

Standard